As florestas nobres geralmente são plantadas de forma legal, já com o intuito de serem investimentos sustentáveis certificados para terem maior aceitação e valor comercial no mercado nacional e internacional.

As árvores que formam as florestas nobres são conhecidas por suas características particulares que diferem da madeira considerada comum. Dentre as principais características, é possível destacar a qualidade da madeira que possui maior resistência e beleza. Essas madeiras nobres são utilizadas em construção civil, construção naval, móveis finos, instrumentos musicais, dentre outros produtos.

Essas florestas formadas por árvores de madeira nobres, podem ser de espécies nativas brasileiras ou exóticas estrangeiras. Em relação às nativas, podemos encontrar:

  • Pau-brasil (Caesalpiniaechinata);
  • Cedrinho (Erismauncinatum);
  • Acácia (Acaciamangium);
  • Ipê Roxo (Tabebuia heptaphylla)
  • Peroba rosa (Aspidospermapolyneuron);
  • Jequitibá (Carinianalegalis), entre outros. 

Das exóticas, as mais cultivadas no Brasil são:

  • Mogno Africano (Khaya ivorensis).
  • Cedro Australiano (Toona ciliata);
  • Teca (Tectona grandis);

Florestas nobres nativas ou exóticas?

O plantio de florestas nobres exóticas acaba sendo mais facilitado uma vez que a documentação, registros de plantio e corte são mais simplificados. Isso acontece por conta das leis serem mais rígidas sobre o comércio de madeira nativa que foram criadas para enfrentar o desmatamento e extração ilegal de florestas nativas.

Das exóticas, o Mogno Africano é uma boa opção para o cultivo no Brasil, uma vez que as condições edafoclimáticas são condizentes com seu continente de origem. A espécie tem uma boa rentabilidade, rápido crescimento e características semelhantes ao Mogno Brasileiro, mas que, ao contrário deste, geralmente não é uma madeira advinda de desmatamento predatório. Seu corte raso ocorre entre os 17 e 25 anos, enquanto uma árvore de ipê roxo alcança a maturidade biológica somente a partir de 25 anos, por exemplo.

As florestas nobres nativas ou exóticas têm papel fundamental para preservação do meio ambiente e biodiversidade. Vale lembrar que o plantio comercial de árvores colabora diretamente com a sustentabilidade, uma vez que atende os pilares do meio ambiental, econômico e social.